Hunting ou Search: Qual é o tipo da sua empresa?

hunting ou search

Há muitas formas de estabelecer o processo seletivo de uma organização. O hunting ou search são exemplos de metodologias utilizadas pelas empresas. E com o tempo, há novidades conceituais e novas necessidades da empresa, precisando que o processo seja ajustado e otimizado.

No mais, o modo como a equipe de RH faz as suas seleções, conta muito e tem um impacto direto nos resultados do negócio. Utilizar técnicas, metodologias e recursos eficientes faz toda a diferença para atingir os profissionais mais qualificados e que tenham mais a ver com o perfil almejado.

Desta forma, é indiscutível a importância do processo de recrutamento e seleção, em todas as suas etapas, para o impulsionamento do negócio. É importante ter o domínio das diversas ferramentas. E o search ou hunting, como veremos em seguida, podem ser aplicadas conforme a finalidade do processo seletivo.

Search: O que é e, porque é tão popular?

O search é um processo seletivo muito popular entre os especialistas de RH. É mais efetivo na hora de entrar em contato com novos colaboradores que estejam disponíveis no mercado de trabalho e que têm a ver com o perfil de vaga desejado pela empresa.

Pode ser estabelecido com o uso de ferramentas digitais, por consultoria ou mesmo pelo RH da empresa. Trata-se ainda de um processo mais básico e simplificado.

Search: como funciona?

Ele segue algumas premissas:

  1. Após ser definida a vaga e a descrição do anúncio de vaga com exatidão, ela é divulgada.
  2. Em seguida, ocorre o cadastro de currículos em sites que disponibilizem vagas de emprego ou no site da empresa. Pode-se fazer uso de sistemas on-line para facilitar o processo de seleção. Pode-se ainda usar sites ou e-mails específicos para cadastramento de profissionais.
  3. O search pode usar ainda um networking de indicações de profissionais ou usar a participação em eventos para estar em contato com profissionais específicos. A principal característica do search é a seleção por meio dos dados e informações obtidos pela empresa. Pode-se ainda entrar em contato com profissionais que tenham se cadastrado fora do processo de anúncio de vaga.
  4. É importante ressaltar que muitos especialistas questionam o search. Pois muitas vezes o processo seletivo se baseia mais em pretensões do que na realidade. Isso porque nenhuma descrição de vaga é 100% suficiente.
  5. No search pode ser realizada a seleção automática, já que se baseia em dados. Isso significa que perfis considerados incompletos, mesmo que não sejam de fato, sejam rejeitados.

Vantagens do Search para o recrutamento e seleção

Há muitas vantagens no search, como ser um processo mais passivo, onde o candidato se apresenta para a vaga anunciada, por formulário, cadastros e outros dispositivos. Além disso, possui custos menores que o hunting, é perfeito para vagas operacionais e é mais simplificado.

hunting ou search

O search pode apresentar alguns desafios também, como ser mais complexo ao ser alinhado com seleções automatizadas – que podem deixar passar perfis de candidatos interessantes – e requer bastante precisão na descrição de vagas – saiba mais sobre este assunto lendo esta matéria do Blog Empregare!

Hunting: desafios e vantagens

O huting é um conceito muito diferente do search. A palavra vem do inglês e significa “caçar”. É um método mais ativo na busca de profissionais com perfis assertivos para a empresa. Os dados e informações são apenas um recurso para encontrar os candidatos e o especialista precisa criar estratégias antes mesmo da apresentação ou interesse dos profissionais.

O foco do processo é sempre a melhor opção de candidato para a vaga, não se baseando apenas naqueles que demonstram interesse na vaga ou na empresa.

Trata-se de uma estratégia que não se encerra no anúncio de vaga, no processo seletivo ou mesmo na contratação do profissional.

Os recursos mais utilizados para isso são os perfis comportamentais, perfis técnicos, dados quantitativos e também qualitativos, sistemas on-line, entre outras ferramentas.

hunting ou search

Após os primeiros contatos, o profissional é chamado para uma entrevista. Há um levantamento de dados profundo e subjetivo sobre o candidato. Além disso, uma lista de conhecimentos e dados é realizada para que estes atributos sejam comparados com outros selecionados. É possível ainda chamar o candidato para outras entrevistas e conversas, testes e dar feedback sempre que necessário.

A busca (ou a caça) por novos profissionais e os melhores talentos não é uma tarefa fácil ou trivial. Em muitos casos, as técnicas de hunting são constantes para determinadas áreas e perfis. Em muitos casos, pode ser contratados parceiros e consultores, como é o caso do “headhunter”.

Hunting: como funciona?

Como o interesse pelos melhores profissionais é da empresa, ela lança seus especialistas em busca dos candidatos mais assertivos, sem esperar passivamente a sorte do contato por parte deles. E esta é a maior diferença entre os métodos mais tradicionais de recrutamento e seleção.

Há alguns diferenciais que precisam estar alinhados neste caso com as técnicas de hunting. Como oferta competitiva, abordagem específica e cuidadosa, comunicação clara e direta, apresentação atraente da empresa e da função, entre outras.

O hunting é muito usado em segmentos em que as vagas sejam muito específicas, que exijam especialidades e formação, experiência. E muitos segmentos já utilizam amplamente o hunting em seus processos – como é o caso do TI, das engenharias e do mercado financeiro, por exemplo.

Há algumas premissas que devem ser consideradas para que o hunting funcione adequadamente. Tais como:

  1. Definição do perfil do candidato: A descrição do perfil deve ser específica e apurada, sempre alinhada com plano de carreira e expectativas para a vida profissional. Os conhecimentos técnicos e competências, além de conhecimentos valiosos para a função, devem ser claros. Como a busca envolve mais de um profissional geralmente, como é o caso do headhunter, a definição deve ser assertiva.
  2. Critérios bem definidos – O mesmo podemos dizer dos critérios apresentados na vaga. Como é o caso de faixa salarial compatível com o mercado, diferenciais atraentes e outras coisas que encantem e tragam os candidatos mais capacitados para a empresa.
  3. Comunicação e transparência no processo seletivo – A busca ativa exige muita transparência e ótima comunicação entre os profissionais envolvidos e os candidatos. Todas as informações sobre a vaga e a empresa devem ser repassadas com integridade para que, em caso de divergência, o profissional não abandone o cargo em pouco tempo.

Vantagens do Hunting para o recrutamento e seleção

O hunting é um processo seletivo de alta performance, que exige muito dos especialistas em RH, mas que oferece resultados mais abrangentes, principalmente para cargos de áreas específicas. Como envolve vários profissionais e diferentes fases, é possível utilizar um sistema on-line com vários recursos pertinentes, como vídeo questionário, testes on-line, indicadores de gestão, workflow do processo, entre outros. Aproveite para confirir algumas vantagens do sistema Empregare.

O hunting garante ainda contratações mais assertivas, com o contato direto com o profissional. Quando o perfil é bem definido, as expectativas quanto ao profissional são as mais próximas possíveis, não apenas entre os candidatos que se apresentam, mas os encontrados em uma busca ativa.

Como apresenta resultados mais precisos e dinâmicos, podendo ser utilizados diferentes recursos, tais como redes sociais, sistemas on-line, rede de contatos, headhunters, entre outros, os custos podem ser otimizados e de longo prazo. Pois, a expectativa é também evitar ou diminuir o turnover.

Além disso, é mais eficiente na contratação das pessoas mais adequadas e alinhadas ao perfil. Mas exige especialização por parte dos recrutadores.

Comparativo: hunting ou search

Vale a pena dizer que a escolha entre o hunting ou search deve estar pautada pelas necessidades e postura que a empresa possui.

Ambos os métodos são amplamente personalizáveis e têm as suas vantagens. Um método não é necessariamente melhor que outro. Mas se vale a indicação, aposte no search para vagas mais comuns, frequentes e operacionais.

Já no caso do hunting, utilize-o para processos seletivos mais específicos. Como, por exemplo, para cargos de responsabilidade, para contratações técnicas e altamente especializadas, contratações de gestores, lideranças e cargos estratégicos. Além disso, utilize este método quando o processo deve focar em características mais subjetivas.

Muitas empresas utilizam os dois métodos para necessidades diferentes, o que também é possível.

Uma forma de definir a escolha de um método ou outro, hunting ou search, é avaliando as necessidades da empresa no momento. Como, por exemplo, o perfil de vaga, as intenções do negócio, objetivos a serem alcançados e peculiaridades do setor.

Avalie ainda como o profissional irá atuar no seu dia a dia. Isto é, como poderá contribuir em processos mais assertivos, quais os diferenciais que poderá trazer. E avalie também o orçamento adequado, não apenas para o processo seletivo, como para a contratação profissional.

Veja também: Employer Branding – Como atrair os melhores talentos

O que você achou deste conteúdo? Deixe um comentário dizendo qual é o tipo de processo seletivo da sua empresa. E compartilhe estas novidades nas suas redes sociais!

Siga-nos no Instagram! E acompanhe vídeos incríveis no canal do YouTube da EMPREGARE.com.

transformação digital
Artigo anterior Transformação Digital no RH, entenda da mudanças
employer branding
Próximo artigo Employer Branding – 8 dicas para melhorar sua marca empregadora

Escreva um comentário

Fechar